segunda-feira, 16 de abril de 2018

Resenha - O Caçador de Apóstolos

Bom dia com muita chuva! Hoje vim resenhar para vocês um livro de fantasia medieval de um autor brasileiro que eu só conhecia por nome: O caçador de apóstolos de Leonel Caldela. Ele já escreveu alguns livros publicados pela Nerdbooks, mas essa obra que falarei hoje foi uma de suas primeiras, tendo sua publicação feita em 2010.
Ganhei esse livro em um amigo secreto de uma pessoa muito apreciadora de RPG e fantasia, então logo criei boas expectativas. O melhor é que eu ganhei esse e a continuação "Deus máquina", sequência de O Caçador de Apóstolos, então em breve lerei e postarei aqui. 
Em relação ao material do livro, achei meio mole e maleável demais, mas leve e de boa qualidade.


A história desse livro se baseia no poder maior, ou seja, a Igreja. Só que aqui a Igreja é tirana, onde as pessoas não tem acesso à informação e tudo em que acreditam são ditados pelos cardeais. Desde criança, a população era treinada rigorosamente a respeitar a Igreja e não questioná-la.
Urag é o Deus deles e a Voz de Urag é uma espécie de profeta, ou seja, é aquele que tem o dom de receber mensagens de Urag, devendo assim transmiti-la à população de fiéis. A Voz de Urag é sempre uma mulher e o livro fala sobre algumas das Vozes que já existiram, apesar de o conhecimento das mais antigas serem bem remotos.
O livro é dividido em três partes. Na primeira, intitulada "O diabo está morto", temos Iago, o narrador personagem, e Atreu, personagem principal do livro. Atreu é um rebelde, sempre duvidou e questionou a Igreja, nunca escondendo sua incredulidade e sendo por isso considerado o Soldado do Diabo.
Na segunda parte do livro, com título "Retrato do guerreiro quando jovem", temos a história de Atreu, onde mostra sua infância até se tornar um cavaleiro. Mostra também outro personagem muito interessante, chamado Ganimedes, que é um personagem, que apesar de tudo que passa, se mantém fiel.
O enredo vai tomando forma com base em duas profecias. A primeira diz que "Haverá dois soldados, um de Deus e um do Diabo". A segunda fala sobre uma Voz de Urag corrupta, dá época em que a líder da Igreja trairia seu povo e faria a guerra contra os cardeais.
É aí que entra Jocasta, uma personagem fundamental na história e bastante focada na terceira parte do livro, intitulada "Deus no corpo de Jocasta". Jocasta parece ser a nova Voz, uma vez que a mesma tem visões e recebe mensagens divinas. 
A história mostra a guerra entre a Igreja e os rebeldes, com belas descrições de lutas e personagens


Enfim, é um bom livro de fantasia. Recomendo.
Espero que tenham gostado da resenha.
Até mais e boa leitura!

sábado, 17 de março de 2018

Resenha - Os Condenados

Boa tarde gente! Hoje vim falar para vocês sobre mais um livro do Andrew Pyper, autor de O Demonologista, livro já resenhado aqui no blog. Clique aqui caso queira ver. 
Confesso que inicialmente eu imaginava que Os condenados fazia parte do universo do Demonolista, que seria tipo uma sequência e tal. Mas a única coisa em comum entre os dois livros, além do gênero, é o autor. As histórias são independentes, sem ligações entre uma e outra.
Não posso deixar de falar do material, já que a Darkside sempre surpreende a gente com edições fantásticas e muito caprichadas, então além de uma boa história, a gente se deleita com as capas e a qualidade do material da editora.
 

Os Condenados conta a história de Danny Orchard, um homem que sobreviveu a várias experiências de quase morte e que por causa disso, se tornou um especialista no assunto. Danny lançou um livro para contar essas experiências vinte anos depois, chamado de "O Depois", que foi ao topo da lista de mais vendidos em seu lançamento.


Danny tinha uma irmã, Ashleigh, uma garota loira muito bonita de olhos extremamente azuis, que ao contrário do recluso irmão, era alegre e extrovertida. Entretanto por debaixo dessa máscara, Ash era a encarnação do mal, uma pessoa que sentia prazer em ver o sofrimento alheio, uma pessoa sem remorso algum e que cada vez mais causava o afastamento de seu pai.
Um dia os dois irmãos morreram numa casa que foi incendiada. Ash morreu carbonizada, mas Danny, depois de morto por alguns instante, conseguiu voltar a vida. Sendo essa uma de suas experiências mais marcantes.

No entanto Ash não deixa Danny em paz, mostrando-se, mesmo depois de morta, possessiva e egoísta, como sempre foi durante sua vida. Orchard tenta levar uma vida normal, mas  o "fantasma" de sua irmã não cansa de procurá-lo e bangunçar sua vida. 
Danny, que sempre foi solitário, por culpa de Ash que nunca permitira que o irmão tivesse namorada, se vê condenado a solidão, até que conhece Willa. O que deveria ser o começo de sua felicidade, acaba sendo um inferno, pois Ash jamais deixaria o irmão feliz ao lado de outra mulher. E esse ciúme faz de Ash um verdadeiro demônio na vida do casal e de Eddie, filho do primeiro casamento de Willa.

Minha opinião:  Achei o livro bem interessante, esse tipo de assunto me instiga bastante, a escrita do autor é simples e a história é mais clara, não ficando muita coisa nas entrelinhas, como acontece com O Demonologista. Eu gostei da história e também gostei do final. O livro é curto e não tem encheção de linguiça, sendo a história enxuta e direta. Além do suspense, presente em vários pontos da história. Sem dúvida gostei mais desse do que o primeiro que li do Pyper. Indico a leitura desse livro!

Até mais e boa leitura! o/

quarta-feira, 14 de março de 2018

Demolidor - volumes 1, 2 e 3 - Frank Miller & Klaus Janson

Olá gente, boa tarde! Hoje vou resenhar para vocês três quadrinhos que eu queria ler a muito, muito tempo, desde que a Netflix lançou a série Demolidor. Eu me apaixonei pelo personagem e pela história da trama. Já conhecia o personagem, embora a série que tenha despertado o meu interesse realmente.
Vários artistas já passaram pelo Demolidor, deixando suas marcas e traços, mas hoje vou falar de uma das versões mais consagradas do homem sem medo: Demolidor, por Frank Miller e Klaus Janson.
Eu me apaixonei por essa edição, dividida em três volumes. As capas são muito bonitas, em tons de preto e vermelho, bem no clima do Demolidor. O material é de qualidade, embora não mereça o preço que é geralmente cobrada. Mas enfim, o conteúdo é maravilhoso e adorei me aprofundar na raiz desse herói tão incrível.



O volume 1 inicia com uma introdução, contando como aconteceu o ingresso de Frank Miller e Klaus Janson no universo do Demolidor. Vale destacar que foi Frank Miller que introduziu a Elektra no elenco do quadrinho, uma vez que queria reconstruir o homem sem medo. 
Esse volume reúne as revistas The Spectacular Spider-Man 27-28 e Daredevil 158-161, 163-172. O Demolidor aparece nas duas histórias do Homem-Aranha, ajudando este a recuperar sua visão, perdida temporariamente. Nas histórias seguintes desse volume, podemos encontrar super-heróis como  a Viúva-Negra e Hulk, e vilões como o Mercenário e Gladiador. Além disso, é nesse volume que surge a Elektra e Wilson Fisk, o rei do crime, dois personagens muito consagrados no universo do Demolidor.



O volume 2 é um pouco menor que o primeiro e reúne as revistas Daredevil 173-182. Sua introdução é bem grande e conta detalhes sobre personagens e sobre a história, inclusive spoilers.
O volume também permanece com a gama de personagens do anterior, como Gladiador, Elektra, Wilson Fisk, além dos ninjas do Tentáculo, o velho mentor do Demolidor, Stick e o Justiceiro. Temos algumas participações que merecem ser mencionadas, como as do Luke Cage e o Punho de ferro.
Todos os volumes mostram também a identidade secreta do Demolidor, ou seja, o advogado cego Matthew Murdock e sua vida pessoal, além do seu dia-a-dia no escritório junto com seu sócio Foggy.
No final desse volume, tem uma entrevista enorme com Miller e Janson, com detalhes bem curiosos sobre suas criações e inspirações.



O volume 3 reúne as revistas Daredevil 183-191 e What if...? 28. Podemos ver com mais frequência no volume 3 o Justiceiro, além do Wilson Fisk e o retorno da Viúva-Negra. Nesse volume, vemos bastante o Tentátculo, uma vez que a organização criminosa tenta ressuscitar a Elektra.
Além disso, nosso herói tem um problema com seus super sentidos, sendo que só Stick é capaz ajudá-lo.



Espero que tenham gostado e que eu tenha despertado a curiosidade daqueles que ainda não leram os quadrinhos do Demolidor, ou que como eu, só conhecia a série Demolidor original Netflix, que por sinal é foda. Indico!
Até mais, e boa leitura! o/

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Resenha - Sob a redoma

Bom dia gente! Que dia lindo e chuvoso! Perfeito para resenhar mais um livro do Stephen King, não é mesmo? :D
Sob a redoma é o segundo maior livro que já li na vida, perdendo apenas para IT - A coisa, do mesmo autor. Demorei mais de um mês para ler, mas tudo bem, vou dar uma apressada nas próximas leituras para correr atrás do prejuízo de tempo.


Começando pela capa, eu gosto muito dela, pois nos dar uma visão ampla do que é a redoma, apesar dos tons mais "alegres" de cores, que foge do padrão sombrio dos livros do Stephen King. Como o livro é bastante volumoso, deve-se ter cuidado ao manuseá-lo, pois a lombada pode ficar marcada, como aconteceu comigo. =/

A história começa quando uma redoma aparece na cidade de Chester's Mill, no Maine. Trata-se de um campo de força invisível e completamente impenetrável que enclausura os que estavam na cidade e inviabiliza a entrada de visitantes. Inicialmente, a redoma é notada quando acontecem diversos acidentes de aviões e carros. Essa problemática é só um plano de fundo, pois o livro (em toda sua grandeza, diga-se literalmente), se aprofunda no drama político/social da cidade.
Antes de tudo, é importante falar que a organização política de Chester's Mill difere da nossa, onde o prefeito é a autoridade maior de um município. Na história, as autoridades da cidade são três vereadores. São eles: Andy Sanders (primeiro vereador), Jim Rennie (segundo vereador) e Andrea Grinnell (terceira vereadora).
O livro tem uma gama muito grande de personagens, então me concentrarei nos principais, apesar de todos terem a sua devida importância e papel na história. 

Temos Dale Barbara, como cozinheiro do Rosa Mosqueta e veterano da guerra do Iraque. Barbie, como é chamado, é um dos personagens centrais do livro e toda a história é voltada nele.
Devido a redoma, Jim Rennie, o segundo vereador e político manipulador, se torna ainda mais opressor e no comando da cidade. 
Em decorrência da redoma, vários novos policiais são incorporados à delegacia de polícia, mas algumas dessas pessoas com uma forma de trabalhar muito duvidosa. Mas sempre tudo conforme a vontade de Jim.
O jornal local, o Democatra, tem um papel fundamental no livro, uma vez que Julia Shumway, proprietária e editora, tenta mostrar a população da cidade o tipo de político que elegeram para comandar Chester's Mill.
A equipe médica se torna fundamental nessa crise em que a cidade está passando, no entanto os recursos estão cada vez mais escassos, dificultando o trabalho dos profissionais.
Ao mesmo tempo que é mostrado o drama da vida dos personagens, alguns deles se engajam para descobrir o mistério da redoma.
Chester's Mill nunca passou por algo assim, o ar está cada vez mais poluído, a vegetação não se desenvolve, os alimentos estão mal distribuídos e como se não bastasse, quem comanda a cidade é um cretino.

Sob a Redoma é quase tão grande quanto IT.

O livro é enorme gente, não vou me aprofundar, pois minha intenção é mostrar o assunto principal sem entregar muita coisa. Espero que tenham gostado e se interessado nesse livro. Garanto que vão se deliciar com essa obra.
Em relação a série baseada em Sob a Redoma, ainda não assisti e confesso que estou desanimada com a crítica, mas quem sabe depois eu assista pra tirar minhas próprias conclusões. ^^
Até mais e boa leitura! o/

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Resenha - Inferno

Bom dia gente. Primeiramente feliz 2018 para todos, que esse novo ano seja repleto de paz e saúde para todos! Em breve vou postar meus livros preferidos lidos em 2017, então fiquem de olho! :D
Hoje vim resenhar mais um livro do Dan Brown, autor que gosto muito. Ontem li algumas resenhas de Inferno no Skoob e notei que muita gente não gostou do livro, por Dan Brown manter seu estilo monótono. Já eu gostei muito, assim como gostei dos outros que já li do autor.
Eu gosto muito da escrita de Dan Brown, por ser bem esclarecedora, rica em detalhes, principalmente arquitetônicos e de artes.


O livro conta mais uma aventura, a quarta, do professor de Simbologia Robert Langdon. Langdon acorda em um hospital na Florença, Itália, com um ferimento doloroso na cabeça, mas ele não tem lembrança nenhuma de como foi parar neste local, muito menos como se feriu. Ele tem constantes visões bizarras de um mar de sangue cheio de pessoas doentes e famintas, onde uma mulher de longos cabelos prateados diz: "Busca e encontrarás". Ao acordar de seu devaneio, ele dá de cara com a médica Sienna Brooks, uma mulher superdotada com o Q.I. muito alto, que ajuda Langdon a entender a razão de toda a situação em que se encontra.


Temos Bertrand Zobrist, como vilão da história, um geneticista que afirma que nossa espécie está à beira da extinção, e que algo deve ser feito para reduzir a quantidade alarmante de pessoas no planeta. Assim, ele decide criar uma praga capaz de dizimar boa parte da população, na tentativa de resolver a longo prazo o problema da superpopulação. 
Robert Langdon tem a posse de um objeto muito curioso, uma espécie de tubo ao qual revela a famosa imagem do inferno de Dante Alighieri, segundo Botticelli. Assim, como plano de fundo temos o Inferno de Dante, consagrado autor de A divina comédia, ao qual Langdon, usando seus conhecimentos, busca o paradeiro da praga de Zobrist. E essa obra famosíssima é a principal pista que eles tem.

 Em 2016, esse livro foi adaptado para o cinema, e ontem eu assisti. Confesso que esperava bem mais, minhas expectativas estavam muito altas. Várias coisas relevantes foram mudadas do livro e isso eu não gostei, mas considero o filme mediano. Não deixem de vê-lo.

capa do filme
Por fim, eu gostei do livro e indico. Ganhei Origem, a próxima aventura de Robert Langdon, de amigo secreto, então aguardem que teremos a resenha em breve!
Até mais e boa leitura! o/

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Resenha - Morte: Edição Definitiva

Bom dia gente! Hoje vim resenhar uma HQ maravilhosa, cativante, linda e perfeita! Sim, é isso tudo mesmo e muito mais. A Morte é um dos meu perpétuos favoritos. Apesar da premissa da personagem, ela é uma garota sorridente e não vê a morte como algo ruim nem bom, mas como algo inevitável que acontecerá com todo mundo.
A edição definitiva de Morte reúne histórias de Sandman, onde ela teve algum tipo de participação, além de histórias inéditas e tão boas quanto.



Essa edição foi lançada em 2014 pela Panini Books, dando enfoque ao carisma de uma das melhores personagens já criadas por Neil Gaiman. Nesse encadernado, além da reunião de histórias magníficas, tem um extra no final com diversas imagens da Morte, mostrando traços de diversos ilustradores. Dá até vontade de emoldurar tudo.



A primeira e segunda histórias que esse encadernado reúne pode ser encontradas em Sandman, enquanto as outras, mais longas, são exclusivas da personagem. Vale destacar "Morte: o alto preço da vida", uma história excelente e a minha preferida.


Eu gosto muito da atmosfera dos quadrinhos de Neil Gaiman. Desde Sandman, até Morte, sinto a mesma sensação ao ler. Morte foi criada por Gaiman uma semana após criar Sandman (essa informação tem na edição definitiva), então os dois tem uma conexão forte e são sem dúvida meus personagens preferidos desse universo.
Desde o visual dark até a forma de pensar sobre a vida e a morte, além de seu carisma, a personagem conseguiu me cativar de uma forma incontestável.

Espero que eu tenha causado curiosidade em vocês! Boa leitura e até logo! o/

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Resenha - Evangelho de sangue

Bom dia gente! Hoje vim trazer uma resenha um pouco atrasada, já que terminei a leitura do livro na semana passada. Mas enfim... hoje vou falar de Evangelho de sangue, do Clive Barker, lançado pela Darkside. Esse livro é do universo de Hellraiser, livro que já resenhei aqui no blog. Caso vocês ainda não tenham visto a resenha de Hallraiser, clique aqui.
Em relação a capa, eu achei muito bonita e chamativa. Por onde eu andava com o livro, as pessoas perguntavam sobre o que ele se tratava. haha
Bem, vamos lá para o que interessa:


O livro narra a história de Harry D'Amour, um detetive de casos sobrenaturais. Ele levava uma vida aparentemente comum, até encontrar a Configuração do Lamento, a famosa caixa que invoca cenobitas do inferno para o mundo real. Harry tem uma grande amiga, Norma, uma mulher cega que tem habilidades de ver e conversar com pessoas mortas. Um dia Norma é sequestrada para o inferno e Harry, com ajuda de Caz, Lana e Dale, avançam em busca de sua amiga. 
Norma servia como isca, pois Pinhead, nome esse que o Sacerdote do Inferno odiava, queria atrair Harry para uma missão que ultrapassaria todos os limites da razão.


O inferno é bem descrito no livro, com detalhes horrendos, mas confesso que a narração não me prendeu tanto assim, uma vez que senti falta de ação e muitas vezes achei a leitura monótona. Gostei muito mais de Hellraiser. Tanto que devorei a leitura em pouquíssimo tempo.
Mas no Evangelho de sangue, dá pra notar a escrita característica do autor, onde as descrições são bem feitas e os detalhes mórbidos são sempre explorados.
Além do terror, a história tem características fantásticas, o que acrescentou mais ao livro. Eu achei um bom livro, mas não excelente e não tão empolgante como Hellraiser.

Até mais e boa leitura! o/
(A resenha foi curta porque estou doente, me perdoem. x.x)


segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Resenha - Mestre Gil de Ham

Bom dia gente! Hoje vim resenhar para vocês o segundo livro que li do mestre da fantasia J. R. R. Tolkien: Mestre Gil de Ham. É um livro curtinho que dá para ler em uma única sentada, com 102 páginas de pura fantasia. A capa é linda e já dá um gostinho da história. Eu senti uma sensação muito boa ao ler esse livro, pois histórias medievais sempre me deixam sentindo essa coisa boa dentro de mim. Também me senti de volta a infância, já que a história é narrada com um linguajar fácil de compreender, além dos animais poderem falar. Como diz na contracapa da obra, esse livro foi criado inicialmente para entreter os filhos de Tolkien, mas a história cresceu e se tornou mais sofisticada. A versão final resultou em uma obra para leitores de todas as idades. Eu achei o máximo!


A história, apesar de curta, é bem construída e objetiva. Eu não consegui largar o livro por muito tempo, então li bem rápido! :)

O livro conta a história de Mestre Gil, um fazendeiro que leva uma vida humilde em sua fazenda no vale do Tâmisa, na Inglaterra, com sua mulher Aghata, seu cachorro Garm e a égua cinzenta. A época era num passado bem distante, onde ainda existiam dragões e gigantes. Ham era a aldeia em que viviam e nessa época as aldeias eram orgulhosas e independentes.
Um dia, um gigante, o maior de todos eles, resolveu andar pela aldeia, com seus enormes pés destruindo tudo que via pela frente. Garm alerta Gil e este pega seu bacamarte, uma espécie de espingarda, e vai em busca do gigante. Ele consegue atingir o gigante e este decide se afastar, pois pensou que o que o havia acertado era um mosquito, já que a luz do luar ofuscou sua vista e ele não percebeu a presença de Mestre Gil.
O que se segue na vida de Gil foi resultado desse mal entendido, pois por conta do gigante ter se retirado perante Gil, ele se tornou um herói, uma lenda em Ham e todos passaram a ver Gil com outros olhos. Afinal ele era o homem que enfrentou e "venceu" um gigante. E este então era o maior de todos os gigantes.


Devido ao reconhecimento de Mestre Gil, o Rei mandou uma magnífica carta e um presente contendo um cinto e uma espada para o novo herói de Ham.
Depois de um tempo, um dragão, que já eram raros naquela região, apareceu e começou a destruir tudo que via na sua frente. A população local, haja visto que eram fãs da bravura de Mestre Gil, o pressionaram a enfrentar o dragão, chamado de Chrysophylax. Depois de relutar, ele decidiu ir com sua égua cinzenta ao encontro do grande lagarto e assim ele descobre que tem um grande poder em suas mãos, que o ajudará nessa grande empreitada.

Gente, a vontade que tenho é de contar o fim da história, mas não quero dar spoiler e o livro é bem curto, então não posso me estender muito na resenha. Só o que posso fazer é recomendar a leitura, pois esta vale muito a pena. Em breve postarei mais resenhas de livros de Tolkien, então aguardem!
Espero que tenham gostado e se interessado pelo livro.
Até mais e boa leitura!

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Resenha - Exorcismo

Bom dia gente! Hoje vim trazer mais uma resenha para vocês. Hoje vou falar sobre Exorcismo, do Thomas B. Allen. Todo mundo, ou quase isso, deve conhecer o filme O Exorcista de 1974. Um filme de terror que ganhou bastante notoriedade no gênero. Thomas Allen resgata a história original, utilizando-se de algumas fontes autênticas e confiáveis, o que faz o livro ser ainda mais assustador.
Em relação à edição da Darkside books, o livro é muito bonito e chama bastante atenção, ainda mais por possuir um tabuleiro Ouija logo ao abrí-lo.  A capa é texturizada e muito interessante.
Eu confesso que achei a narrativa meio monótona, mas não me incomodou muito, considerando que ela soa bem real, como em sua maior parte deve ser.



O autor usa pseudônimos para o personagem principal e sua família, ao tentar proteger suas identidades. Robbie, nosso protagonista, é um menino de quase 14 anos que morava no subúrbio de Washington, D.C., com seus pais, Karl e Phyllis Mannheim. Diferente da maioria dos garotos dessa idade, Robbie gostava muito de jogos de tabuleiro. Mas como era filho único, muitas vezes ele tinha que recorrer aos adultos para brincar. A tia Harriet, irmã de seu pai mostrou ao garoto o tabuleiro Ouija, onde eles tinham que mover o planchette sob a superfície polida e lisa da madeira e fariam contato com os espíritos. Harriet tinha interesses sobre o assunto espiritismo. Depois de um tempo, ela morre e aí começam a acontecer eventos inexplicáveis na casa dos Mannheim.

Tabuleiro Ouija que vem no livro
Barulhos na parede e debaixo da cama apenas marcam o início de algo muito maior que nenhum deles imaginavam. Objetos passaram a se mover no quarto de Robbie inexplicavelmente, além de cortes e letras que do nada apareceram em seu corpo. A família passou a acreditar que a tia Harriet, ou outra "pessoa", estava tentando se comunicar com eles através do garoto. Ao notarem que a cada dia o fenômeno se agravava, resolveram sair da cidade e ir para a casa de familiares. No entanto, o mal perseguia o garoto e onde quer que ele estivesse os fenômenos continuariam acontecendo.
Vários padres tentam ajudar o garoto, mas o mal parece se fortalecer a cada dia, quase levando Robbie a insanidade. Dessa forma, o mal é encarado através de orações e muita determinação dos padres.

Em relação ao filme, assisti ontem, já que nem lembro se já tinha visto ou não. Eu gostei, embora a história seja diferente do livro. Enquanto no livro e na história original, o possuído foi um garoto, no filme a protagonista foi uma garota. Além disso, o contexto da família é bem diferente. Mas gostei do filme, apesar de achar que seria melhor. O final é bem interessante.


Capa do filme
 




Cena de "O Exorcista"
Eu indico o livro e o filme, apesar de ter achado meio boring. Acho que os fatos poderiam ter se desenvolvido de forma mais objetiva em ambas as mídias. Mas gostei da história, principalmente pelo fato das fontes serem confiáveis e seguras. Isso que mais me deixou animada.
Até mais e boa leitura! o/

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Resenha - À espera de um milagre

Bom dia gente! Hoje vim animada porque a resenha vai ser de um livro maravilhoso, um dos melhores que li nesse ano. Como já viram no título, estou falando de À espera de um milagre, do Stephen King, um super clássico e com boa razão para isso. É uma história muito conhecida. Quem não leu, pelo menos deve ter assistido ao filme ou ter ouvido falar. (Se ainda não viu, corre para ver!)
Essa obra linda foi publicada pela primeira vez em 1996. A minha edição foi publicada em 2013 pela Suma de letras e apesar da capa simples, é muito coerente com a história e isso eu gosto bastante.


Eu amo a forma que o King escreve, pois flui tão bem e a leitura é tão agradável que não dá vontade de largar o livro. Eu me entreguei à história e li em poucos dias. Agora só preciso rever o filme, já que o assisti há muuuitos anos atrás. O bom é que eu não lembrava muito da história, o que tornou minha leitura ainda mais emocionante e com ainda mais expectativa.
Voltando a falar do filme, ele foi lançado em 1999, estrelado por Tom Hanks e já ganhou vários prêmios, ou seja, é um filme incrível! Fica a dica.

Capa do filme

Bem, vamos ao resumo:

O livro é narrado por Paul Edgecombe, um idoso que revive grandes acontecimentos, ao escrever sobre o que aconteceu em 1932, quando era superintendente de bloco na Penitenciária de Cold Mountain. Paul trabalhava no Bloco E, no enorme e largo corredor verde, o corredor da morte, onde só ficavam presos autores de crimes horrendos que foram sentenciados à morte na cadeira elétrica, ou Velha Fagulha, como costumavam chamá-la.
Lá, ele se via obrigado a acompanhar os últimos momentos dos prisioneiros, incluindo homens arrependidos de seus crimes e homens cruéis e frios. 


Juntamente com Edgecombe, temos os guardas do bloco que foram essenciais em toda a história: Brutal, Harry, Dean e o sádico Percy. Juntos, eles acompanham os dias finais de vários prisioneiros, como Eduard Dellacroix, autor de vários homicídios, que ao entrar em Cold Mountain, passa a criar um rato que lá apareceu, batizando-o de Sr. Guizos. Outro prisioneiro que marcou na vida deles foi Wharton, um jovem que iniciou cedo na vida do crime e que não tinha receio nenhum de seus atos, um verdadeiro sangue frio. Mas entre todos os presos que eles acompanharam, sem dúvida, o que mais marcou na vida de todos esses guardas em 1932, foi o negro enorme e desajeitado John Coffey, um homem acusado de estuprar e matar duas meninas. Coffey mantém sempre seu olhar distante e lágrimas que não param de escorrer de seus olhos... E o mais intrigante, tem um poder especial e inexplicável: ele faz milagres. O que Paul não entende é como um homem desse foi capaz de tamanha barbaridade.
E é em Georgia Pines, o asilo onde vive Paul atualmente, que ele relembra e passa tudo para o papel.

Gente, o livro é emocionante e surreal. Todo mundo deveria ter essa experiência. Leiam e assistam ao filme e me falem o que acharam! Tenho certeza que vão amar!
Até mais e boa leitura. o/

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Resenha - Batman: O cavaleiro das trevas

Boa noite gente! Hoje vou resenhar mais uma HQ para vocês. Dessa vez, um quadrinho mega clássico de um herói foda, que eu particularmente, gosto muito. Estou falando de Batman: O cavaleiro das trevas, de Frank Miller. Todo mundo, ou quase isso, conhece o Homem-morcego e já deve ter visto algum filme do mesmo, inclusive a adaptação originada pelo quadrinho a qual vou resenhar hoje.
A edição que li é a definitiva, contendo O cavaleiro das trevas 1 e 2. Esse encadernado é do meu namorado, então tive que ler emprestado. (É nosso, né amor? kkkk ♥)




Eu gosto muito dessa capa por conta das cores, gosto muito desse degradê, além das silhuetas serem lindas. Esse encadernado da DC Comics foi publicada pela Panini books em 2001, com seu roteiro escrito em 1984.

A primeira parte do encadernado mostra o retorno de Batman. Mais velho, aos 55 anos, ele se mostra mais maduro, ao mesmo tempo que se mostra também mais angustiado, ao reviver de forma intensa a morte de seus pais, quando era apenas uma criança.
Gotham City vive em um caos, dominada pelos crimes causados pela Gangue Mutante e Bruce Wayne, o Batman, se vê diante de um inimigo cruel, o famoso Coringa.
Além disso, ele tem de enfrentar o Superman, emissário da Casa Branca, ao qual Bruce Wayne considera um covarde que não luta a favor da causa dos heróis. 
Em O cavaleiro das trevas 2, Bruce Wayne se ergue ainda mais determinado, junto de seu novo exército e de Robim, que tem um papel fundamental em toda a história. O próprio Frank Miller considera Robim a personagem secreta principal da série.
Podemos ver monstros e inimigos conhecidos como Lex Luthor e o poder que a junção e união de vários heróis pode fazer.
Aqui, temos um Batman com sangue no olho, sedento para enfrentar um governo omisso e opressor, afim de limpar Gotham City de tudo que lhe adoece.




Achei bem interessante um contato mais profundo não apenas com o Batman, mas com o Superman, a Mulher Maravilha e a filha de ambos, a Supergirl,  além de mostrar outros heróis da DC, que tiveram seus momentos na história. Eu gostei bastante e indico para quem ainda não leu.
O final contém vários extras, com esboços originais, roteiros e imagens lindas. É um material que vale a pena ter na estante, com certeza!

Até mais e boa leitura.

Resenha - O Caçador de Apóstolos

Bom dia com muita chuva! Hoje vim resenhar para vocês um livro de fantasia medieval de um autor brasileiro que eu só conhecia por nome: O c...